Estimulando a coordenação motora em cada fase

girl-coloring-1564116-639x668

Já fizemos posts aqui no nosso blog falando da importância em estimular a coordenação motora dos pequenos, mas como este assunto é de extrema importância, principalmente para crianças de 0 a 6 anos, resolvemos nos aprofundar um pouquinho mais.

Dominar o corpo no espaço: a coordenação motora é a capacidade de sincronizar os movimentos usando cérebro, músculos e articulações. Isso começa bem cedo quando bebê tenta virar, engatinhar e até levantar as mãos pedindo colo.

É importante saber o momento certo de estimular a crianças em cada fase: no desenvolvimento da coordenação motora grossa e fina.

Nos primeiros dois anos de vida, é importante estimular a coordenação motora grossa, que permite que a criança rasteje, ande, corra, salte, pule, suba e desça escadas. Uma dica é deixar as crianças em espaço aberto para que desenvolvam suas habilidades. Brincar com obstáculos é importante para as crianças, mesmo quando ainda só engatinham. A brincadeira pode ser dificultada de acordo com o desenvolvimento delas.

Já a fina dá a capacidade de usar os pequenos músculos em movimentos delicados, trabalhos manuais, como: escrever, pintar, desenhar, recortar, encaixar, montar e desmontar, abotoar e desabotoar. Rasgar papéis, folhear revistas, brincadeiras com massinha e brinquedos de encaixar são atividades que também ajudam a desenvolver a coordenação motora das crianças.

Confira o que as crianças costumam desenvolver em cada fase, segundo a Revista Crescer:

2 meses: Junta as mãos, vira a cabeça para achar quem está falando e pode tentar levantá-la.

4 meses: Agarra um chocalho, vira de barriga para baixo e mantém a cabeça firme quando sentada.

6 meses: Passa brinquedo de uma mão para a outra. Alcança e segura objetos. Toca os pés. Pega comida na mão e come. Levanta os braços para ser carregada. Começa a sentar sem apoio. Eleva o tronco apoiada nas mãos.

9 meses: Gosta de objetos que possa pegar e bater usando as duas mãos. Puxa para ficar de pé. Senta-se sozinha e sem apoio. Engatinha. Fica de pé com apoio.

1-2 anos: Rabisca papel. Segura giz de cera com a mão toda. Pega pequenos objetos e os coloca dentro de um recipiente. Empilha blocos. Vira a página de um livro. Segura colher e tenta comer. Fica de pé sem ajuda. Aprende a andar e a correr. Sobe escadas segurando o corrimão. Inclina-se para pegar objetos e volta para a posição de pé. Inclina-se para a frente em brinquedos como cavalinhos e carrinhos. Arremessa e chuta a bola, mas sem exatidão.

2-3 anos: Faz torres com vários blocos. Recorta papel com tesoura. Faz traços simples com giz de cera. Começa a traçar o nome. Coloca miçangas em um barbante. Pula com dois pés. Galopa. Equilibra-se em um pé só por alguns segundos. Pedala triciclo. Arremessa bola em um alvo.

3-6 anos: Copia linhas e formas. Pega lápis ou caneta fazendo movimento de pinça com os dedos. Escreve o nome. Corta em cima da linha do papel. Começa a cortar formas com a tesoura. Veste-se e se despe de maneira independente. Abotoa e fecha zíperes. Alterna os pés nas escadas. Fica em um pé só. Pula sobre um pé só. Arremessa e chuta com exatidão e força. Progride na tarefa de andar de bicicleta.

Fonte: Revista Crescer / IG.


Brinquedos Educativos, comportamento, Dicas, Importância do Brincar